Você sabe o que é a prática Due Diligence?

  1. O que é Due Diligence

  2. Qual a importância do Due Diligence

  3. Como é feito o processo de Due Diligence

  4. Primeira etapa

  5. Segunda etapa

  6. Terceira etapa

  7. Finalização

  8. Quando executar o processo

  9. Qual é a diferença entre Due Diligence e auditoria

  10. Quais são as principais análises de Due Diligence

  11. Conclusão


1. O que é Due Diligence

Primeiramente vale observar que vários motivos levam uma empresa ao fracasso/falência, como Fraudes, investimentos errados, falta de controle e relações de operações e financeiras inadequadas. Depois que percebe-se a ruína da empresa é fácil perceber os erros, mas é importante que sejam descobertos antes que isso ocorra, a fim de impedir. Isso é o que o Due Diligence faz de grosso modo.


Ademais o significado em português da expressão Due Diligence é diligencia prévia, dessa forma essa prática analisa, estuda, investiga diferentes dados e fatores jurídicos, financeiros, fiscais, trabalhistas, ambientais, contábeis.. em busca de compreender por inteiro os dilemas da organização, com o intuito de atenuar ou acabar com problemas que a empresa possa vir a ter com diferentes públicos como investidores, parceiros, fornecedores e compradores.


Em suma, efetuar uma Due Diligence faz com que após ter sido feita a avaliação da oportunidade e dos riscos, levando em conta três principais considerações (cenário fiscal/tributário, legal e financeiro) a empresa tenha dados efetivos para tomar uma providência e assim definir o futuro do negócio.

2. Qual a importância do Due Diligence

O físico, cientista, escritor, astrônomo, filosofo e professor, Galileu Galilei, considerado o pai da ciência moderna disse “Todas as verdades são fáceis de perceber depois de terem sido descobertas; o problema é descobri-las” . Mas o que isso tem a ver com a pratica do Due Diligence ? Considerando a frase citada a cima, podemos relaciona-la com o fato que realizando o processo, temos a finalidade de descobrir o que há de errado na organização, análogo a verdade, antes de que ela venha à tona, resolvendo o problema.


Por seguinte, várias empresas buscam uma expansão ou ascensão no mercado, ou até mesmo novas aquisições, sendo relevante que tomem medidas que tragam certeza na concretização dos negócios, verificando e identificando riscos, para evitar possíveis complicações.


Ademais, a operação apresenta muitas vantagens, por proporcionar uma visão vasta e real dos negócios, ela examina o grau de conformidade, mostra as imperfeições operacionais, auxilia a compreender sua posição no mercado, o cenário para o futuro, qual a situação contábil e fiscal, além dos principais concorrentes. Para mais, ela contribui com a descoberta de atividades contrafeitas de clientes, funcionários e fornecedores.


Assim sendo, a prática é importante tanto para a própria empresa como para possíveis compradores, investidores e parceiros, por realizar uma ampla análise e consequentemente proporcionar uma visão ampla do negócio, se tornando crucial nas incorporações e transações societárias.


3. Como é feito o processo de Due Diligence

Como já visto anteriormente, a due diligence é um processo longo, que explora diferentes setores de uma empresa com a finalidade de apresentar um estudo completo da empresa, suas projeções de desenvolvimento e eventuais riscos do negócio. Sendo importante que o trabalho seja meticuloso.

O processo de Due Diligence é desenvolvido por especialistas no assunto, podendo ter a colaboração de profissionais de diferentes áreas dependendo do objetivo da empresa. Para uma melhor compreensão pode-se dividir em 4 etapas.

3.1. Primeira etapa

A primeira é a formação da equipe, que deve ser multidisciplinar para que se tenha uma análise concreta, contando com profissionais das áreas de tributos, finanças, recursos humanos, contábeis, controladoria, administradores e avaliadores, garantindo que as informações e documentos tenham uma boa compreensão.

3.2. Segunda etapa

Em segundo lugar vem o conhecimento do negócio, onde é feito um mapeamento do negócio, para que possam ver melhor quais são as atividades, como funcionam em um todo, como são feitas e quais seus atributos. É a partir desse conhecimento que os consultores conseguiram obter as informações e documentos para prosseguir com o processo

3.3. Terceira etapa

Por seguinte vem a fase de levantamento de documentos e informações, após compreender qual o objetivo que o interessado pelo Due Diligense tem,pois é o objetivo que define o que é preciso observar. Será recolhido os documentos, como contratos, livros, comprovantes de pagamento e de patrimônio, certidões e demonstrações financeiras, dos setores a serem analisados.

3.4. Quarta etapa

Por último, ocorre a apresentação dos resultados que acontece com a formalização por meio de planilhas e documentos com os dados e as análises fundamentais. O resultado final depende de qual era o objetivo que o impulsionou.


4. Quando executar o processo

Sempre que existir a possibilidade de que ocorra alguma transação em que haja gastos ou investimentos, como parcerias, compras, fusão, parcerias…, o processo de Due Diligence poderá ser realizado.

Esse processo é benéfico tanto para os investidores como para os empresários por ser uma ótima forma de avaliar os negócios. Quando realizada a análise externa pode-se obter a conclusão se vale a pena investir ou não. Já ao ser feita a avaliação interna, é analisado os aspectos jurídicos, comerciais, tributários e financeiros.

5. Qual é a diferença entre Due Diligence e auditoria

É normal que haja uma certa confusão entre o significado de due diligence e auditoria, mesmo que as duas possuam alguns processos iguais, é relevante ressaltar que as duas têm objetivos e princípios técnicos diferentes,

Segundo o site do governo federal (www.gov.br), Due Diligence é definido como “...refere-se ao processo de investigação de uma oportunidade de negócio que o investidor deverá aceitar para poder avaliar os riscos de uma transação comercial...”.

Já a auditoria é definida como “Auditoria é um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa, cujo objetivo é averiguar se elas estão de acordo com as planejadas e/ou estabelecidas previamente, se foram implementadas com eficácia e adequadas à consecução dos objetivos.’’.

A partir disso podemos citar algumas diferenças principais. O Due Diligence analisa riscos de forma profunda e ampla, considerando os mínimos erros relevantes para a tomada de decisão, sendo que são usados todos os dados com exatidão e tenha cunho avaliativo e analítico, reunindo estudos de várias áreas. Por outro lado, a auditoria explora e tem foco nas normas contábeis não nos riscos, sendo tolerável os pequenos erros, a análise é feita por amostragem, tem caráter a contabilidade da empresa segundo as normas.

Sendo assim, compreende-se que o foco das duas é diferente, destacando que o da Due Diligence tem como objetivo de entender o potencial no presente e no futuro da empresa no mercado. Contrária a auditoria que confere a contabilidade da empresa com relação às normas.


6. Quais são as principais análises de Due Diligence

É fato que algumas áreas têm um impacto maior no resultado, sendo sempre analisadas durante o processo, que de forma geral pretende realizar um estudo completo. Sendo assim, torna-se relevante ressaltar algumas dessas áreas e o motivo de serem tão importantes.


A área trabalhista,que cuida dos riscos nas contratações e demissões de funcionários, esse setor exige muito cuidado, respeitando todas as leis e alinhando os sistemas trabalhistas com a política da empresa.

Outra área é a jurídica, ela estuda todas questões e conflitos não resolvidos judicialmente que existam, além de empréstimos, contratos e propriedades, o que faz toda diferença na hora de se incorporar com outras empresas.

Outros dois setores que vale a pena serem mencionados são o financeiro e o contábil e fiscal. A financeira se dedica a todas informações de desempenho financeiro, como lucro, dívidas, balanço ativo e passivo, o que tende a garantir segurança operacional e financeira em possíveis tomadas de decisões.

Já o contábil e fiscal tratam de questões contábeis, fiscais e tributárias, exigindo muita técnica. Além dessas quatro, existem outras que complementam ainda mais a operação, como exemplo, o ambiental e de técnico de informática.


7. Conclusão

O atual cenário mundial, ou seja, a ascensão da globalização, fez com que as distâncias tenham se “reduzido” e consequentemente intensificou relações como as parcerias, aquisições e fusões das empresas. Com isso o Due Diligence vem recebendo cada vez mais atenção, por mais que seja um tema relativamente pouco conhecido ainda.

A diligência prévia, possibilita uma visão ampla e detalhada sobre as fraquezas, os riscos, as oportunidades e todas as operações. Investir nesse mecanismo, possui diversos benefícios, como oferecer para fornecedores e empresários, segurança em suas futuras operações .


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo