Você já ouviu falar em performance de empresas?

Atualizado: Out 3

Gestão de performance é um conjunto de processos e metodologias que buscam alinhar recursos, pessoas e competências para atingir objetivos de forma eficaz e eficiente. Ela permite avaliar constantemente as ações que trazem retorno positivo para a empresa, determinando em tempo hábil os principais pontos que precisam ser melhorados para atingir as expectativas da organização. Através de processos formais e informais, colabora com o alinhamento dos funcionários e suas atividades com o todo da organização.

E como posso fazer avaliação de performance da minha equipe?


Existem algumas ferramentas de metodologias que podem ser utilizadas constantemente pelo gestor e pela equipe, sendo elas por exemplo:


A metodologia SMART:


Metas SMART é o nome de uma metodologia que estabelece critérios para a definição de objetivos e metas, as quais se baseiam em 5 fatores:

  • Específico (Specific): os objetivos devem ser específicos, claros e detalhados

  • Mensurável (Measurable): o objetivo precisa ser traduzido em números, interpretado e manipulado sistematicamente

  • Alcançável (Attainable): o objetivo precisa ser realista e atingível

  • Relevante (Relevant): o objetivo precisa ser relevante para a realidade da empresa

  • Temporizável (Time-Bound): o objetivo deve permitir a fixação de prazos para sua realização.


Indicadores KPI:


Outra ferramenta chave da Gestão de Performance são os indicadores KPI (key performance indicators, do inglês, indicadores-chave de desempenho). Através deles, é possível medir o quanto de seu objetivo e metas foram alcançados. Além de fazer o acompanhamento dos processos, os KPIs facilitam a transmissão da visão e da missão de uma organização a todos colaboradores. Na prática, alguns dos mais importantes tipos de KPIs são: indicadores de produtividade (normalmente, relacionados com a produtividade hora/colaborador ou hora/máquina), indicadores de qualidade (vão abordar números relacionados com desvios, não-conformidades, defeitos, avarias, etc), indicadores de capacidade (uma medição de o quanto um processo pode responder, por exemplo, a um pedido não programado), indicadores estratégicos (mensurar o quanto das metas estratégicas definidas pela empresa), indicadores de lucratividade (mensura o percentual de lucro sobre o faturamento de um negócio), indicadores de vendas (que poderão mensurar desde a taxa de conversão até o ticket médio), e indicadores de recursos humanos (que mensuram componentes objetivos e subjetivos relacionados aos colaboradores), entre outros. Mas para fazer a mensuração desses KPIs é necessário garantir que eles sejam objetivos. Como as metas SMART, eles devem ser mensuráveis, objetivos e verificáveis mas principalmente eles devem ser comunicados aos colaboradores, garantindo um consenso sobre o objetivo definido, e o comprometimento de todos.


Existem diversos KPIs, então é importante identificar e escolher os certos para uma organização. Alguns pontos a se considerar ao fazer essa escolha são: existe disponibilidade para mensurar esse indicador? Isto é importante para a base da minha organização? Isso é relevante para o desempenho do meu negócio? Esse indicador irá facilitar a minha tomada de decisão? Posso fazer essa mensuração de forma periódica?


De fato, os conceitos de KPIs e metas SMART podem ser aplicados também em uma ferramenta de gestão bastante conhecida para aqueles familiarizados com a melhoria contínua: o PDCA.


O ciclo PDCA


A sigla, que representa as quatro fases desse método - Plan, Do, Check, Adjust (do inglês, Planejar, Fazer, Checar e Ajustar) -, e os indicadores estarão presentes em praticamente todas elas.


  1. Ao planejar os objetivos, e processos necessários para entregar os resultados, a organização também deve planejar os indicadores e metas que serão analisados.

  2. Na parte de fazer/executar o planejado, ambos ficarão um pouco de lado, mas eles retornarão à tona na fase de

  3. checar, quando ocorre a mensuração e análise dos resultados obtidos da execução do planejado.

  4. E na fase de ajustar, eles estarão sendo ajustados também, para que um novo ciclo PDCA possa ser iniciado.


Independentemente das metodologias e ferramentas que você escolher, o caminho da gestão de performance é o mesmo: fazer da melhoria contínua um padrão contínuo na sua organização. Para tanto, as métricas e metas devem sair do papel e integrar o dia a dia de todos os membros da empresa, da alta liderança à base. O segredo da execução correta dos sistemas de gestão de performance está no acompanhamento frequente, com reuniões e avaliações, além do comprometimento com as padronizações de processos. Além disso, devido aos avanços constantes da tecnologia, as opções para implementação da gestão de performance se multiplicaram.



E aí, empreendedor, curtiu?


Aproveita e já baixa esse artigo em formato de e-book complementar aos seus conhecimentos!


Baixar e-book!