O Trabalho do Futuro e o Futuro do Trabalho

Inovação, sustentabilidade e empreendedorismo foram os temas da segunda edição do festival GloboNews Prisma, que aconteceu no dia 5 de maio no Rio de Janeiro e em São Paulo. O evento tem por objetivo promover o debate sobre assuntos do momento, e transformar as grandes ideias em ações cotidianas, através do desenvolvimento de workshops e palestras nos melhores espaços de coworking das capitais.


A pauta deste artigo é: trabalho.

50% dos empregos podem acabar até 2030.

Com medo?


Saiba que 60% das profissões que vão existir em 2030 ainda não foram criadas.

Excitante, né?


Mas saiba que essa discussão, que rendeu uma palestra de mais de uma hora no evento acima citado, vai muito além dos temas abordados aqui. Abaixo, listamos 6 tópicos a serem levados em conta quando se pensa no futuro do trabalho e no trabalho do futuro:


Tecnologia


Façamos uma viagem ao passado: imagine o mundo há 30 anos. Não existia internet. O acesso a telefones, computadores e televisões ainda era muito restrito. Se considerarmos o tempo que levou para essas tecnologias terem seu boom, e analisarmos suas consequências, verificamos que o futuro high-tech está bem mais próximo do que pensamos.

Hoje, existem utensílios domésticos automatizados para quase todas as tarefas referentes a manutenção de uma residência. Também,  já existem máquinas de impressão 3D, capazes de construir casas em questão de semanas. Com relação aos computadores e as possibilidades dentro da internet, não é preciso nem comentar.

Vivemos em um mundo com uma intensa explosão de dados. Para se ter uma ideia, estima-se que até 2030 vamos gerar cerca de 40 trilhões de GB por pessoa – o equivalente à 10 notebooks por pessoa no mundo. E a maioria dessas informações não estão estruturadas, armazenadas para pesquisa e análise. Logo, a grande revolução digital à ocorrer será a criação e desenvolvimento desses novos sistemas, como a inteligência artificial, que vão nos ajudar a entender e mensurar melhor esses dados.

Um exemplo disso pode ocorrer, por exemplo, no setor da saúde: daqui uma década, seremos capazes de coletar 73 vezes mais informações a respeito da saúde humana. Os sistemas vem, então, para dar o auxílio no armazenamento, investigação e análise desses dados – o que é humanamente impossível de ser realizado.

Mas, mesmo para trabalhos automatizados, vale ressaltar, as máquinas ainda precisam ser treinadas pelo homem (apenas 5% de todos os trabalhos podem ser totalmente automatizados), e necessitam constantemente de manutenção e aperfeiçoamento.

Todos os trabalhos são impactados pela tecnologia de alguma forma. De fato, a tecnologia vem para nos liberar de tarefas regulares que são realizadas há séculos. Em outras palavras, a gente usa a tecnologia para melhorar e, ao passo que vai acabar com determinados empregos, essas pessoas serão liberadas para se aperfeiçoar e exercer atividades diferentes.

Pessoas


Nós, seres humanos, nos diferenciamos das máquinas em vários aspectos, mas principalmente no sentido do livre-arbítrio (autonomia de pensamento, escolhas, ações, sensações). Sempre será próprio da nossa existência a nossa necessidade de conexão, de interação, com os demais seres da nossa espécie. Dessa forma, somos insubstituíveis. Até certo ponto.

Somos movidos pela nossa criatividade. Somos capazes de imaginar melhor e, consequentemente, transformar o mundo em que vivemos.

Percebemos que não existe mais a distinção entre os dois “eus” - o “eu” no trabalho e o “eu” fora dele. Com os millenials, os conceitos passaram a misturar-se, e a felicidade individual entrou como fator decisivo no jogo. Cada vez mais a realização pessoal está indo ao encontro ao sucesso profissional. E esse prazer da vida pode ser tanto viajar o mundo inteiro sem nunca sossegar em um lugar, quanto montar sua própria empresa, sendo que ambas as opções podem se tornar tanto seu estilo de vida, quanto o seu próprio negócio.

São os chamados nômades digitais. Para eles, mais vale a experiência do que o “status” de um emprego/profissão. E o medo de estar perdendo as coisas (Fear of missing out) é uma das razões para esse aumento de diversificação de portfolios. Graças a criatividade, novas profissões estão surgindo, e o sucesso nos âmbitos pessoais e profissionais podem, enfim, seguir na mesma direção.


Trabalho


Comecemos com o conceito do que é trabalho: atividade útil (ou não). Durante muito tempo esse definição esteve relacionada à dignidade, à identidade do indivíduo. Porém, a noção do que é ou não é considerado trabalho se alterou com o passar dos anos (quem diria, um século atrás, que ser jogador de futebol seria considerado profissão?). Acontece essa ressignificação do trabalho, conforme visto anteriormente, que se dá tanto por novas necessidades quanto por novas oportunidades.

No futuro, a criatividade e a as novas necessidades serão responsáveis pela criação de novos tipos de trabalho. Os exemplos podem até parecer cômicos a primeira vista, mas nos fazem pensar sobre o futuro da humanidade: abraçador de pessoas, minerador espacial, operador de nuvens de chuva, etc. É aquela velha história, se o trabalho é a razão da falta de tempo, o maior tempo livre (uma vez que tarefas que puderem ser automatizadas serão) originará novas ideias e proposições. O segredo será inovar.

O que mais tem no mundo são problemas sem solução, e suas resoluções são grandes oportunidades de negócio. Ser criativo, diferenciado e prático, é pré-requisito para ter sucesso no seu empreendimento. É aquela famosa sentença: “para ser um bilionário, resolva o problema de 1 bilhão de pessoas”.


Gestão


É necessário oxigenar a cultura das organizações. Não se pode mais seguir os métodos de produção de séculos atrás, nem esperar que o trabalho seja desenvolvido da mesma forma que antes. Os modelos de espaços de coworking e empresas horizontais, por exemplo, são aplicados em grandes empresas que tomam por base o sucesso de startups, que já tem essa cultura de trabalho inovadora desde sua criação, para potencializar o desenvolvimento interno e, por conseguinte, seu crescimento.

O segredo para o sucesso de uma empresa hoje está relacionado ao seu modelo de gestão e as oportunidades que oferece dentro dela para o desenvolvimento de seus funcionários. Cada vez mais as pessoas procuram trabalhos que estejam relacionados com seus pontos de vista. O trabalho pelo simples fato de suprir o desemprego não é mais atrativo.

Negócios de impacto são as atividades realizadas pela empresa com o propósito de impactar positivamente a sociedade e o planeta em que vivemos. É iniciativa empresarial que visa maior lucro, mas também, o desenvolvimento social no caminho. Uma empresa engajada em uma causa se mostra atrativa perante seus funcionários que, consequentemente, se esforçam no trabalho para ajudar a causa também.

Não é mais opcional se você vai entrar nesse mundo ou não. Se você quiser manter sua empresa funcionando, com funcionários realmente atuantes, e não meros robôs que dão Ctrl+C Ctrl+V nas suas tarefas; oferecerprodutos de qualidade e inovadores, que chamam a atenção do consumidor; e se destacar no mercado é necessário acelerar o processo de criação – o que as pessoas querem?


Educação:


O modelo de educação, bem como o de trabalho, ainda está muito ligado à indústria: a maneira de ensinar, ainda que o uso de softwares e da internet tenha entrado na rotina de muitas escolas, permanece a mesma. Porém, graças ao empreendedorismo (e mais alguns outros fatores), hoje, existe uma série de outras possibilidades no mercado de trabalho, e a pergunta que se forma é: como que nos preparamos para ele?

Ao invés de nos prendermos a decorebas e teorias que são facilmente encontradas no Google, poderíamos fazer a resolução de cases envolvendo situações do cotidiano. Bem como as formas de ensinar as matérias (que ainda fornecem importantes bases para o desenvolvimento acadêmico) devem estar ligadas ao dia a dia dos estudantes e capacitar os mesmos para entender de diversas áreas do mercado (Ex: matemática aplicada a finanças), o mais rápido possível.

Fomentar a criatividade e o espírito empreendedor, principalmente dos jovens, é extremamente necessário. Quando estudamos, nossos horizontes são ampliados, e nossas perspectivas de mundo se expandem, gerando novas possibilidades em nossas vidas. A educação é ferramenta fundamental para a democratização sociocultural do país, capaz de transpor barreiras e abrir outras portas à realidade.


Conhecimento:


Aprendizagem não tem data de validade. O modo de pensar não tem geração. Em um mundo que passa por constantes transformações, é necessário manter a mente aberta a novas ideias e novas oportunidades.

Nunca foi tão fácil aprender algo novo. Ser um Student for life, procurar aprender com as mudanças, de maneira autônoma (onlearning), é de suma importância para o desenvolvimento pessoal.

Não podemos nos contentar com o supérfluo, precisamos ir atrás da informação, independente de idade, tempo, condição. Precisamos utilizar as ferramentas que nos são disponibilizadas, e fazer a diferença com aquilo que aprendemos.

A gente não sabe qual será o futuro, tampouco quando de fato ele chegará. Mas temos certeza que vamos precisar estar preparados para ele.

Tão importante quanto inovar no mercado de trabalho, é discutir a inovação e descobrir novos pontos de vista. E, mais do que isso, por a mão na massa e fazer as coisas acontecerem.

Imagine esse painel daqui alguns anos...

12 visualizações