Monopoly: o banco imobiliário que sobreviveu à crise

Perdeu dinheiro? Você pode aprender sobre investimentos com Monopoly!

(Sim, aquele jogo que você jogava quando criança).


A quebra da bolsa de Nova York em 1929 teve muitas consequências: recessão econômica, desemprego, falências e problemas de ordem social. Não havia mais dinheiro no mercado para quem quisesse comprar imóveis, terrenos, investir; muitas vezes, nem para comer.


Foi então que Charles B. Darrow, um vendedor de sistemas de aquecimento desempregado em virtude da crise citada acima, fez a apresentação de um jogo de tabuleiro aos executivos da Parker Brothers, em 1934. A ideia seria de dar a oportunidade das pessoas se imaginarem investindo, já que o mesmo não era possível na vida real.


Apesar de rejeitado inicialmente pela Parker Brothers, o jogo caiu nas graças do público imediatamente após seu lançamento individual por parte de Charles, o que fez a empresa rever seu posicionamento e adquirir o jogo ainda na década de 30. Mais tarde a empresa foi comprada pela Hasbro.


Baseado no jogo “The Landlord’s Game”, de Elizabeth Maggie, que o criou como ferramenta para ensinar e criticar a política econômica de então – “demonstração prática do sistema atual de tomada de terras e taxas simples”, dos anos 1900 –, o novo jogo foi batizado de “Monopoly”.


A forma simples de explicar a essência do jogo seria essa: um tabuleiro onde propriedades como bairros, casas, hóteis, empresas e cidades são compradas e vendidas, deixando alguns jogadores “ricos”, e outro, “falidos”. Na prática, algumas regras e oportunidades o tornam um verdadeiro sucesso de vendas.

O jogo começa com a distribuição igual de R$ 1.500,00 para cada jogador, elegendo um para ser o banqueiro e administrar o dinheiro de compras, vendas, pagamentos e demais operações que acontecem durante o jogo. Com o auxílio de dados, os jogadores percorrem o perímetro do tabuleiro, caindo em “casas” que lhes apresentam oportunidade de compra ou pagamento ao banco ou aos demais jogadores. Ainda, algumas adversidades podem ocorrer durante o jogo (como você ir preso, ou ganhar na loteria, basicamente).


Observação: se você leu até aqui e jogou esse jogo de algum jeito diferente, entenda: esse é um dos jogos que mais gera discórdia.


“Monopoly” possui atualmente diversas opções de jogo, incluindo o uso de cartão de crédito, opções de aluguel para aumento de renda, trocas, leilões, hipotecas, entre outras.

Em suma, o objetivo do jogo permanece o mesmo: ficar “rico”.

Elizabeth ficaria chateada se visse o sucesso que a visão distorcida de seu jogo se tornou.

Uma curiosidade: até 1987, o jogo era proibido na União Soviética, uma vez que era balizado na lógica do capitalismo.

O jogo começou a ser vendido no Brasil em 1944, com o nome de Banco Imobiliário, em uma parceria entre a Estrela e a Hasbro, dona do jogo. Mais tarde, a Hasbro passou a vender no Brasil com o mesmo nome do americano (Monopoly). Ambas as versões são comercializadas até hoje.


Até hoje o jogo é um dos mais populares no mundo, e dá uma noção geral sobre temas como investimentos, ROI, compra e venda e administração para crianças e adultos (a partir de 8 anos). Esse entendimento é aplicável não só ao jogo, como também a vida, tornando Monopoly um jogo não só de estratégia e negociação, mas também fundamental para a educação financeira.

28 visualizações